sábado, 10 de novembro de 2007

tic-tac

O cérebro tem um modo de trabalhar muito complexo. Pois tem. Quando está mal, começa a dar sinais na testa e solta gritos de alarme: dói, dói. Quando está bem, não o sentes. Chegas a pensar que não o tens. É complicado dizer o que quer que seja sobre a pequena bola que tens escondida dentro do crânio. Já sabes que as ideias te aparecem na ponta da língua com naturalidade, que a ignorância é facilmente tapada com aquilo que conheces. Não és criança nenhuma. Quando acordas, o cérebro acende aquilo que os sonhos não queimaram. Quando vais dormir, esperas que amanhã tudo se mantenha intacto. A lógica é quase como a do tic-tac do relógio. Nunca pode parar. Nem debaixo dos lençóis. O pior é se falta a pilha. Perdes tudo. Como agora. Puseste-te a brincar com assuntos sérios e, agora, nada podes fazer para alterar o que aconteceu. Não há mecânicos que consigam arranjar explosões nas têmporas.

1 Comment:

Scoya said...

Mas há mecânicos que dão a volta e nem topas o erro ;)