quinta-feira, 8 de novembro de 2007

O aquário

Contarás sóis se no céu estiverem luas?

Beijarás uma boca se te encontrares empastado de solidões?

Não.

Então, por que motivo observas as estrelas como se elas te ofuscassem? Por que abres e fechas a boca no ar gelado? Já te deveriam ter contado que não és portador de uma natureza de peixe de aquário. Para um sujeito como tu, a ideia até seria aliciante, dado que tens uma forma de estar nesta terra muito mansa e descansada. Os teus trabalhos, se num dia foram puxados, no outro, foram de acalmia. A lassidão está-te nos poros da pele, nas borbulhas com pus que rebentam, que saram e que desaparecem deixando marca. Fazes lembrar um objecto que não consegue permanecer de pé durante muito tempo. Fazes lembrar uma maçã pendurada na macieira. Estás sempre disposto a cair.

Por mais que a paisagem que vês te faça lembrar um aquário, não esperes que te lancem comida do ar.

Morrerás de fome.

Secarás com a lama.


2 Comments:

Andreia Ferreira said...

"Por mais que a paisagem que vês te faça lembrar um aquário, não esperes que te lancem comida do ar.

Morrerás de fome."

Que grande grande verdade!

Beijo***

Scoya said...

Mas há escritas que nos alimentam...e de que forma!