terça-feira, 6 de novembro de 2007

«Cansaço porquê?»



Não, não grites cansaço!

Não é cansaço...
É uma desilusão,
que te penetra a alma,
que te consome a calma.

É um mar sem água,
o sol frio, o gelo escaldante...
Sensações inúteis, violentas por nada!

É andar sentindo que rastejas,
É sorrir e sentir os lábios a rasgar,
uma gargalhada seca de uma avultada
massa de ar que te sai dos pulmões,
que faz eco, que irrita o ouvido...

É um peso nos teus ombros.
Sentir o mundo todo em cima,
existir, não viver...

É o mundo que existe,
é tudo o que ele contém!

É qualquer coisa como uma angústia,
é querer gritar sem voz,
é uma coisa que está por dizer...
É por sofrer com tudo
ou por sofrer como...

Como quê?...
Se soubesses, não estarias cansado.

Sensação abstracta em ti, vida concreta!
Pensamentos absortos em coisa nenhuma!...

Afinal é: cansado do tempo morto que acarreta.


Liliana

1 Comment:

Scoya said...

A minha mente anda invadida por um cansaço semelhante a esse descrito...mas luto contra ele com unhas e dentes, cansando-me ainda mais...
Por isso estas palavras me fazem sorrir e sentir que até mesmo este cansaço pode fazer parte de uma obra de arte.