domingo, 6 de julho de 2008

Naquele verão, Artur resolveu enfrentar o medo que tinha do mar. Depois de passar dias a estudar vários manuais e a assistir a gravações de jogos olímpicos, pagou o bilhete para entrar na piscina municipal, respirou fundo, avançou para a prancha e mergulhou na baia natural.
Fez um mortal simples encarpado que até mereceu aplausos do nadador salvador, que estava bastante receoso da aventura, convencido de que um homem de 40 anos que recusava a tirar braçadeiras não devia ser sequer autorizado a entrar no recinto da piscina.

(também na minha casa de todo o ano)

1 Comment:

ermelino leão said...

Brutal!
Até quem fim, um sopro fresco na miséria intelectual que é este blog de onanistas! .... e ai, ai ai que dói muito esta coisa do amor bláblá... se lhe apertassem o rabo, como quando um gato se sente pisado, não diziam mil vezes ai, oh oh oh... amor meu que não existes... diziam uma! uma só a que fosse verdadeira
Parabéns!!