segunda-feira, 30 de junho de 2008

O alfobre da poesia

Atingido por um malogro de amor, esfacelou-se-lhe o peito. Aí brotou o poema.

4 Comments:

Anónimo said...

do peito?
do malogro do amor?
da esfacelação?
onde?

joaquim said...
Este comentário foi removido pelo autor.
Adriana Costa said...

De um peito esfacelado, por um amor malogrado, brota um delicado poema.
Gostei da imagem desta micro-narrativa poética!
@>--

perplexo said...

Brota de todos esses alfobres, anónimo, mas sempre digo que a expressão adveio da minha frase original seguinte: «A poesia só nasce nos peitos esfacelados».