sexta-feira, 11 de janeiro de 2008

Uma bomba relógio no peito


É melhor
fechares
os olhos,
meu
amor,
antes que o
mundo
inteiro seja um
incêndio.

Os ventos todos
fechados dentro
da minha mão.
quantos ciclones
queres?

Procurava
nos outros a
ternura, mas
só encontrava
poços cheios
de ódio e
nitroglicerina

Aquele
poema,
ao contrário
dos outros,
tinha pólvora.
só lhe faltava
o rastilho.

Éramos
rebeldes por
sistema,
a sonhar uma
revoluçao por dia.
à tardinha,
na esplanada,
bebiamos um
cocktail molotov.

O terrorista
apaixonado
carregava, às
escondidas,
uma bomba
-relógio
. era
no peito. era o
coração.
Em contagem decrescente
Dez, nove, oito, sete
Cresces
Seis, cinco, quatro
E entras dentro de mim
Três, dois, um
Fogo de artifício.
Constelações de estrelas.
O teu olhar que queima.
[Foto: Graça Loureiro
Música: Naifa]
(Também aqui)

4 Comments:

Canephora said...

Na certeza que esta bomba explode...
não nos incomodaria nada, que todos os terroristas levassem com eles uma... ou que todos nós o fossemos

Vieira Calado said...

Tanta maneira há de descrever e homenagear o amor!
Beijinhos

Manuel Marques said...

...ouvir isto na voz da Mitó e na guitarra do Varatojo é arrepiante... é lindo... lindo... lindo... são o meu grupo musical favorito e este poema então... caraças, os poemas todos, é tudo escolhido na perfeição por aqueles gajos talentosos!

Já os vi 5 vezes ao vivo e para grande pensa minha só tocaram esta música 2 dessas vezes... mas vão haver novidades deles este ano!!! Felizmente!!!

Bravo pela escolha Andreia!!!

Andreia Ferreira said...

Canephora:
Sim, deviamos ser todos uma bomba relógio que explode no peito. Certamente que seríamos bem mais felizes :)

Vieira Calado:
É verdade. Desde que sejam verdadeiras, a beleza vai permanecendo... Um beijo!

Manuel:
Que inveja! Eu nunca os vi ao vivo. Mas sim, acho que eles são GENIAIS! Pela música, pela escolha dos poemas, pela forma intensa como eles são cantados!! Às vezes passo horas a ouvi-los!
Beijo! :)