sábado, 12 de janeiro de 2008

o meu piano

Escrevi um piano,
negro-branco.
Um piano.
Só os dedos são coloridos,
sombras pintadas,
cor-sangue,
atados,
doloridos,
derretidos,
no piano,
no escuro.
Sopra,
sozinho,
silêncios-muro.
Escrevi um piano,
cigano,
bailarino,
sem palavras,
lento,
negro-branco,
sem banco,
ao engano …
Toca,
o piano,
ao vento,
só,
sem palco, nem encanto.
Chora,
o piano,
hora a hora,
sem tempo,
lágrimas de pó.

Escrevi um piano,
Negro-branco,
Sem dó!

3 Comments:

Liliana Jasmim said...

Gostei muito do poema. Capta a essência das palavras e afigurou-se na minha mente uma dança de imagens melancólicas.
É um poema que não passa despercebido e que marca.

Carla Veríssimo said...

o meu piano >ficou< sem teclas...
bonita partitura
;)

© Piedade Araújo Sol said...

e toca o piano, ao vento, uma melodia sem vento...