sexta-feira, 4 de janeiro de 2008

De cara tapada

Dentro de um auditório de uma universidade de renome, milhares de pessoas aguardavam ansiosamente pela chegada do sábio professor António F. de Almeida, que, sendo especialista em literatura norte-americana contemporânea, discursaria sobre a seguinte temática: «O sexo em Philip Roth».

As horas passavam-se e nenhum sinal do excelso professor.

Em casa, fechado no quarto, o professor António F. de Almeida deixava-se arrastar muito lentamente para um domínio que não se coadunava com livros ou com inteligência. Estava a ficar louco. Deitado na cama, coberto por lençóis, o homem apenas se movia do pescoço para cima, de modo a se certificar de que ninguém lhe invadiria a casa. Depois de ter a certeza de que ninguém o surpreenderia com invulgares aparições, o professor voltava a tapar-se. Mas a certeza rapidamente se esfumava e, por conseguinte, o lençol estava sempre a tapar e a destapar a sua cabeça.


Telefonaram-lhe. Não atendeu.

Naquele dia, o génio estava demasiado ocupado para dar palestras.


Também aqui.

2 Comments:

Scoya said...

Que são os génios, se não mentes brilhantemente confusas?

Beijinho

© Piedade Araújo Sol said...

Achei este texto muito interessante!

Beijo