domingo, 23 de dezembro de 2007

Tudo

A lareira que
alumiava a escuridão de pedra
na perda das sombras
em redor da luz

Dava-me tudo
o que o momento podia
e o poder do lume consignado ao tijolo
empoeirado de cinza
era vida iluminada e inquieta
que se mexia nas brasas
que o fogo impunha
e fundia nos meus olhos a chama
da bátega expirada
lá fora.

O arrepio do granito
adivinha
o tempo em que tudo era perfeito.


Publicado também aqui.

1 Comment:

Scoya said...

Mas esse tempo já vai longe...
Um beijinho