quinta-feira, 13 de dezembro de 2007

Quem nos lê

O trabalho crítico é sempre visto com muita desconfiança. Regra geral os artistas não gostam dos críticos, a não ser, claro!, quando estes dizem bem do seu trabalho. De outra forma, os críticos servem apenas para dizer mal
(errado errado o trabalho crítico é um trabalho de avaliação mas que não se pode prender com o bom e o mau isso são juízos de valor e o trabalho crítico como disciplina académica tem que os excluir deve analisar a obra de acordo com conceitos artísticos e não de acordo com as contingências pessoais de quem elabora a crítica)
e não acrescentam nada. Da mesma forma que quem produz arte necessita da crítica para a validar como arte
(porque embora seja a comunidade a validar uma produção como artística e não o artista a comunidade assenta parte da sua opinião nas considerações do crítico uma vez que este é que é considerado especialista)
, também a crítica necessita da arte para validar o seu trabalho.
Uma das razões que me leva a escrever é o Blogue das Artes como objecto artístico. Antes de mais, eu não leio o Blogue das Artes. Mas, honestamente, quem é que lê
(e quando digo ler quero dizer degustar cada uma das publicações dos seus produtores com cada nuance e entrelinha cada intertexto ou intratexto ver ler ouvir com atenção aquilo que um contribuidor está a produzir)
?
Na minha opinião a problemática do blogue coloca-se na sua produção cavalgante: é impossível acompanhar a rapidez com que os conteúdos são publicados e quantidade em que são publicados. Mais, não creio que se possa chamar ainda um caso de sucesso
(com cinquenta e três contribuidores e com tendência para aumentar a produção vai ser cada vez maior e os número de visitas não é indicativo pois se os seus produtores vierem duas vezes por dia confirmar se têm comentários nas suas produções isso dá-nos uma média de visitas diárias de cento e seis o que faz com que este blogue sofra de umbiguismo)
. Mais, chegamos a cair no erro de julgar que fazemos arte pelo título do blogue, mas na verdade não o fazemos. Falta-nos a crítica, a comunidade externa à produção que valida o nosso trabalho. Acabamos por ter um blogue de produção sem leitores e nem nós mesmos desfrutamos das produções uns dos outros.
Aquilo que escrevi era irónico e sintomático, não pretendia diminuir o trabalho de quem produzia, fico com pena de poucos terem lido e ainda menos terem compreendido. Mais, valorizo, pessoalmente, o trabalho inter-artes e ekphrástico, nomeadamente o que se faz no blogue PostSecret.
Suponho que poucos tenham chegado até aqui. Continuo sem publicar poesia e fotografia. Por princípio.

3 Comments:

Tita - Uma mulher, Um blog, algumas palavras said...

Concordo, subscrevo.
Não querendo correr riscos de passar por alguém que aqui vem só para dizer bem, a verdade é que o que aqui escreveu, traduz muito do que já senti.
Continuo sem me sentir à vontade quando publico, pois não me sinto à altura de um blog que tem como título, “Blogue das Artes”. Não faço arte, nem tenho pretensão a. Afinal, o que é arte? Poesia, fotografia, algumas são-no concerteza, mas não serão as únicas.
No entanto, senti-me incapaz de negar o convite feito e que continuo a agradecer. Umbiguismo? Por certo, que pelo menos é vaidade.
Em abono da verdade, também tenho que dizer que tenho lido por aqui post’s dignos deste título pomposo, mas admito que o acto de publicar aqui, é sempre algo presunçoso, arrogante, umbiguista, como disse.
Critico igualmente a velocidade e a quantidade atroz com que se publica neste blog, que me impede de acompanhar como merecido, o que por cá se faz.
Critico e incomoda-me, o silêncio de todos nós em relação uns aos outros, como se nem soubéssemos aproveitar o excelente facto de dividirmos com excelentes autores, um espaço de tanta qualidade.
Para concluir, e como já o disse, sinto muito do que aqui expôs, mas continuo a considerar esta iniciativa de enorme pertinência e acredito que todos aprenderemos muito, cresceremos e acabaremos por saber dar valor ao convívio neste blog, que eventualmente viremos saber aproveitar.

Ah! E deixe-me dizer que respeito o seu principio...até porque, escreve prosa muito bem.

Manuel Marques said...

Li até ao fim, talvez porque o princípio me cativou... confesso mesmo que li porque sinto a falta dessa crítica... umbiguismo... é claro que sim... é sempre preciso algum feed-back.... mais do que o nº de pessoas que aqui aparecem... 106 ou 1006 por dia ou pelo tempo que lhes apetecer... prefiro que entre os artistas que pela qualidade intrínseca ao que aqui colocam tenham quase que a obrigação de chamar outras pessoas mais 'conceituadas' (nem por isso melhores, apenas mais visíveis e com outro tipo de influência na sociedade...) para que aqui ponham os olhos, leiam e se deixem de tretas quando dizem que somo um país pequenininho... para que sintam o que já todos sabemos: neste país é-se tão bom ou melhor que no resto do mundo. Artes há muitas e como também tenho constatado apesar da pertinência da poesia (muito mal tratada neste país de pessoas que se tratam umas às outras como merda, porque vá-se lá saber porquê o vizinho do país de onde se importa a cultura é sempre melhor) e das fotos deslumbrantes, talvez um pouco mais de crítica mesmo que feroz, corrosiva, mas acima de tudo produtiva faça falta para tornar ainda melhor um projecto que se quer de referência e o vai ser! E para terminar, é claro que apenas leio alguns, é claro que aos poucos vou tomando conhecimento de todos, não tanto pelo blogue das artes, mas pelo que fazem fora dele e como há gente com alma neste recanto! Abraços e continua a crítica... também é uma forma de arte quando feita com inteligência!

Tiago Nené said...

como em qualquer blogue, as pessoas lêem os posts que lhes interessam.