segunda-feira, 17 de dezembro de 2007

O raio que o parta


O sangue corre-me nas veias, imagino um qualquer IC19 em hora de ponta seguido de uma embolia... um AVC (terá isto direitos de autor ou pode-se usar AVC assim sem pedir autorização?). Pronto o melhor é deixar-me de frangos assados carregados de picante, emagrecer uns vinte quilos e parar apenas quando vir os ossos salientes nos ombros.... reviver o passado num campo de concentração...

Desculpem lá a linguagem, mas hoje está um dia de merda, não me apeteceu ir trabalhar, mal posso estar sentado e apetece-me provocar alguém, talvez os meus neurónios de tão quietinhos, absortos numa felicidade que nunca chegará precisem de um qualquer abanão.

E até me levantei cedo, tomei o pequeno-almoço e fui-me deitar outra vez, ressonando sem ninguém a queixar-se, de porta fechada para não incomodar as paredes do resto do apartamento.

Tenho 35 anos e ainda tenho planos de me ir embora, de viver o raio da vida e de conseguir ver o raio no exacto momento em que ele toca no chão, no instante em que ele ribombeia e volta para cima. E depois bang! Até podia morrer sem ser com um orgasmo, sem aquelas utopias da treta com que vivemos sempre, mais os Ferraris eos resorts turísticos. Acredito mesmo que o ser humano por natureza devia andar com um 'babete' de tão vaidoso é do que não tem e adoraria ter, mas nunca vai ter... mas não, não tenho pretensões a ser o Travis Bickle e cortar o cabelo à galo, andar pela Amadora como se fosse Nova Iorque e matar chulos ao tiro. Não sou dos que fazem manobras arriscadas armado em cavaleiro protector de males e nojos circundantes. Não sou nem quero ser.

Pensando melhor, não me quero desculpar, não me sinto mal como estou, até há uma certa aura de felicidade quando tento ser vulgar, não passo de um mero humano, que adoro vestir-me mal (porque raramente tenho oportunidade de o fazer) só para não me reconhecerem, de ter barba de quinze dias, que até a mim me pica(mas enjoa quem me vê)...

Porra gosto de VIVER e mais perfeita que aquela cerveja do gajo que se pendura há meses a fio num poste de electricidade, só o facto de publicar esta cena, alguém não gostar e queixar-se... mas todos sabemos que o ego é grande! Oh ego és uma besta de tão grande que és!!! E não paras de crescer, vamos criar um imposto para aproveitar esse crescimento desmesurado, há que facturar!!!


isto não tem direitos de autor, é o autor em si... com muita dose de exagero... por isso usurpem, mudem o nome, mas no fundo... sejam vocês mesmos! e trucidem os que usurpam daquilo que sai da vossa alma privando-vos do reconhecimento imortal e das coroas que raramente vêm parar ao bolso na proporção devida!

2 Comments:

PJ: said...

Estas tuas palavras são uma delícia!

Um abraço de barba por fazer,

Pedro José ;)

Manuel Marques said...

Está a saber-me bem concretizar o desejo de viver sem ser na puta da depressão que me desanimava sempre...