quarta-feira, 7 de novembro de 2007

O meu Refúgio

Recebi hoje o convite para participar aqui, neste espaço que agora acolho também como meu.
Deixo o meu contributo, certa de que não tem a qualidade dos aqui já expostos, mas certa, de que é com a sinceridade de quem sempre assumiu que brinca com as palavras.






Fui para o meu refúgio.
Quis esconder-me, apagar a memória, recuperar forças...
Procurar-me


Aqui mergulhei, levando comigo as dores e o mau estar. Lavei-me das lágrimas e voltei com a energia que só o mar sabe mostrar. Vim num passo de dança. Numa dança frenética e alegre, empurrada pelas ondas frias mas doces.



Deitei-me, olhei para cima. Aconcheguei-me e aqueci a alma no amarelo do paredão. Roubei a vontade e sai em vitória, trazendo hasteada a força, como se de uma guerra se travasse entre o vento e o areal.


Aqui...emocionei-me...voltei a chorar.
Dei graças pela felicidade e trouxe a coragem dos frágeis mas crentes, que sobrevivem vistosos aos momentos agrestes e cinzentos.

Bem haja a todos!

5 Comments:

SF said...

Acho que somos muitos a pensar que talvez não estejamos à altura do Blogue das Artes... estaremos ou não? Eu acho que tu estás!
Benvinda e bem haja :)

Tita - Uma mulher, Um blog, algumas palavras said...

Obrigada sf!
Foi muito simpática.

Concordo consigo, já não interessa se se está ou não à altura...estamos todos a fazer algo que gostamos e de alguma forma, a contribuir para algo melhor.
Um beijo

PJ: said...

A altura dos nossos desafios só depende do quanto nós queremos saltar.

Parabéns, tem aqui mais um leitor atento!

Beijos,

Pedro José :)

Thunder said...

Gostei de ler este texto.Apesar da tristeza inicial, transmitiu força, esperança e coragem...
Cumprimentos.

Scoya said...

Sê bem-vinda! Usa e abusa do sentimento que te percorre, na certeza de que fiéis leitores te acompanharão, aprendendo contigo ao ensinar-te também :)