sexta-feira, 16 de novembro de 2007

Alma Mater



A tua sede é seres pomar.
Bebias a fonte para germinar
No colo o amor frondoso
E nutrir de terra as criaturas
Ermas de abandono.
Teres fome é saciar.

Incautos os pulsos amplos onde fluis a vida
como a seiva lenta,
Onde és milagre rasgando a pele
em rebentos.

Não busques a água nos lugares externos
O embalo dos ramos nasceu nos teus braços.


Para S.
Postado em Oco Céu Alto

2 Comments:

Scoya said...

Sorri de satisfação ao ler e ver o teu post. Logo, apenas isto tenho para te dizer :)

J.A. said...

Deleitada, Scoya. Obrigada. :)