terça-feira, 11 de março de 2008

Experiência transcendente


Este conjunto escultórico é do magistral Bernini e encontra-se numa pequena igreja de Roma. Chama-se O êxtase de Sta. Teresa (1647-1652) e representa o episódio de amor místico experimentado por Santa Teresa de Ávila, também conhecido por «Transverberação de Sta. Teresa». Foi a própria que relatou o seguinte:

«Ao meu lado esquerdo apareceu um anjo em forma corporal. Não era alto mas baixo e muito belo. E a sua face estava tão afogueada (…). Vi na sua mão um longo dardo de ouro, na ponta do qual julguei ver uma pequena chama. Pareceu-me que o fazia entrar de tempos a tempos no meu coração e que ele me perfurava até ao fundo das entranhas; quando o retirava, parecia-me que as arrancava também e me deixava toda abrasada com um grande amor de Deus. A dor era tão grande que me fazia gemer e, no entanto, a doçura desta dor excessiva era tal, que era impossível querer vê-la terminada, e a alma já não se contentava senão com Deus. A dor não era física, mas espiritual, se bem que o corpo aí tivesse a sua parte. Era uma tão doce carícia de amor entre a alma e Deus (…)».

Como a muitos analistas contemporâneos, não escapou a Bernini a vertente do amor sensual aliado ao amor místico. É bem evidente o abandono físico da freira perante o anjo, como o abandono da mulher excitada perante o homem amado. O rosto do anjo reflecte aquela doce alegria que qualquer homem experimenta no momento anterior à posse da mulher rendida. O dardo não pode ser mais simbólico na sua rigidez fálica e na sua ponta penetrante. O gesto delicado da mão esquerda do anjo a levantar o hábito descomposto da freira, como quem afasta uma última peça de roupa íntima, eleva a sensualidade do conjunto a um nível nunca esperado num altar.
Mas que melhor lugar para celebrar a experiência transcendente e sublime de um orgasmo?

[Publicado no blogue Universos Assimétricos]

4 Comments:

Saramar said...

È belíssimo o post inteiro.
A escultura do magistral Bernini e essas minúcias com que ele deu quase vida às palavras de Teresa de Àvila e a própria descrição do êxtase são desses momentos insuperáveis que raramente se encontra.
Muito obrigada.

beijos

perplexo said...

Muito obrigado. O teor das suas palavras também é uma experiência gratificante e rara para mim! :))

Cândida said...

os anjos afinal têm pipi :)

perplexo said...

Parece que sim, Cândida. E manejam-no com a mão direita... :)