domingo, 9 de dezembro de 2007

Mergulho








Escreve um poema
Mergulha no branco
Entra no improvável
Sê humilde
Não penses no que sabes
Esquece o que sentes
Sente
Se não sentes tira a roupa
Bebe água
Pinta um quadro
Esquece as cores que conheces
Imagina cores
Troca-lhes a lógica
Segue
Persegue
Respira debaixo da água do quadro
Transpira
Bebe água
Bebe mais água
Grita
Chora
Chora pela tua mãe
No teu sonho
Ela vem buscar-te
Inspira
Expira
Continua a pintar
Pinta até que o dia nasça no quadro
É difícil
Então mergulha mais fundo
Até veres os peixes
Ouve os seus lamentos
Eles também nadam neles
Não há só água no seu oceano...
No teu também não há só sorte ou amor ou lógica
Há contradições
Por isso não nades só...
Também mergulha
Mergulhar é fugir
Sem que a fuga seja cobarde.





(Tiago Nené)



in Versos Nus, Magna, 2007

3 Comments:

Pedro Filipe said...

Já conhecia. Foi um prazer reler.

abraço

Manuel Marques said...

Um dia... havemos de fazer uma real tertúlia poética... a declamar (sem ofensas para os mestres eu pelo menos sou um aprendiz...), a beber uns copos, sem fugas cobardes, entre muita da malta talentosa que anda por aqui! Parabéns pelo poema! Abraço!

Scoya said...

Vive, abusa e tenta.
Mergulha também tu, como tão bem nos ensinas :)