domingo, 23 de dezembro de 2007

Cirugião

Ao pé dos seus colegas de trabalho, determinado cirurgião plástico afirmava que nunca conseguiria ter relações sexuais ou afectivas com nenhum dos seus pacientes, visto que, do seu ponto de vista, o médico que modificava o corpo dos seus pacientes era um Deus na Terra.

No cimo do seu altar, o cirurgião conhecia os pontos fracos da pessoa que operava. E era esse ponto fraco que lhe ficava na memória. Se uma mulher quisesse aumentar os seios, o doutor cumpriria a tarefa com grande isenção. Se uma mulher aparecesse no consultório com queimaduras de segundo grau na cara, o doutor faria de tudo para lhe dar uma nova beleza. Todavia, nunca ninguém conseguirá dizer que conseguiu apagar o passado através de uma mudança física.

Quando punha a hipótese de beijar uma paciente sua, o médico lembrava-se imediatamente dos momentos que antecediam a transformação. E sentia um inevitável nojo.

1 Comment:

Scoya said...

Daí os cirurgiões terem, habitualmente, mulheres feias :P
Mas só os plásticos. (comentário ridículo, este...)

Beijinho