quinta-feira, 29 de novembro de 2007

“O poeta não é o que nomeia as coisas, mas sim o que dissolve os nomes, o que descobre que as coisas não têm nome e que os nomes com que as chamas não são seus”


(citando Octávio Paz, in o Macaco Gramático, pp 88)

1 Comment:

Scoya said...

O poeta é o que desfaz certezas e brinca com elas, deixando-nos num mar de conceitos que nem nos interessam, mas nos agradam.

Beijinho