terça-feira, 13 de novembro de 2007

Última hora - Drama em Escola Secundária

Passavam poucos minutos das cinco horas da tarde de hoje quando, na Escola Secundária de Alguém, o caos se instalou. Conta quem assistiu que “eram gritos, livros pelo ar, correrias desenfreadas, enfim, a confusão total”. Quanto à causa, foi possível descobrir que tudo isto foi provocado por um (de todo inesperado) ataque de Amor Universal por parte de um aluno do 10º ano que, alegadamente, atacou cinco outros com beijos, abraços e frases simpáticas, não lhes dando tempo nem hipótese, sequer, para efectuar qualquer movimento de defesa.

Neste momento são quase sete horas e o aluno já se encontra isolado no ginásio, cercado pelo Grupo de Amorosas Intervenções (GAI) da PSP que, soltando gases naturais e urros contranatura, tenta atordoar o suspeito. Assinale-se que foi ali encurralado após uma tentativa frustrada de fazer amor com um espaldar – curiosamente, a causa da rejeição foi o mau hálito.

Entretanto, a equipa de negociadores policiais, em que se inclui um psicólogo, um anão careca, um culturista que arrota esteróides e uma mulher barbuda com um pato de loiça ao ombro, tenta convencê-lo a sair dali sem tentar beijar o agente Silva. O aluno recusou pois, citando as forças de segurança, diz que “seja esse, seja outro qualquer, nem até que – com ‘k’ - me beije a mim mesmo, assim é que - com ‘k’ - eu não fico. É que – com 'k' -, atenção: estou quase a explodir de amor!”, ameaçou, com a voz embargada de tanto e tão perigoso afecto por expressar.

Entrementes, e num inaudito assomo de coragem, Carlos Castro, o verdadeiro Fernão Lopes da actualidade, ofereceu-se como voluntário para substituir o dito agente da autoridade - o que provocou ainda mais o aluno, ao ponto de ele ter, inclusive, ido ao espelho da casa-de-banho piscar o olho a si mesmo. Este facto foi considerado “muito grave, pois está a um passo do auto-engate”, segundo nos confidenciou o psicólogo da equipa da PSP (ou teria sido a mulher barbuda? Bom, também não interessa...).

Contactado por nós em sua casa, o pai do aluno mostrou-se totalmente incrédulo com toda esta situação. “Como é possível? Desde pequeno que leva pancada, só vê filmes do Rambo e do Jackie Chan, na consola só joga ao Tekken e agora... isto?! Digam-me, digam-me lá, onde é que eu errei, digam-me, por favor!”. E ali ficou, ainda sem acreditar no que se passava. (Tão desconsolado estava que mal conseguiu dar umas bofetadas na mulher. Era, de facto, o retrato da angústia e do sofrimento).

Entretanto, são agora quase oito horas da noite e, finalmente, conseguimos chegar à fala com a Presidente do Conselho Executivo, Drª Doutora que, na condição de total anonimato, nos confidenciou também não entender como tudo isto terá sido possível. “Nós até retirámos do programa o Canto IX de ‘Os Lusíadas’, com todo aquele deboche da ‘Ilha dos Amores’; até censurámos, no canto seguinte, o nome da deusa “Tétis”, à qual chamámos “Zé”, evitando aquelas graças tipo “Ó Deusa, mostra-me aí as tuas tétis!” e coisas do género. Abolimos, também, o Eugénio de Andrade por causa daquelas manias de que “é urgente o amor” e parvoíces do mesmo tipo, incluímos as artes marciais no programa obrigatório de Português Z... francamente não percebo, não tenho explicações para nada disto”, concluiu a Presidente, ainda sob o mais rigoroso anonimato.

Mas, esperem... o aluno está a sair agora, escoltado pelos GAI, perante os apupos da multidão que, com o passar das horas, se foi aglomerando junto à Escola. Observamos também que, por certo para não arriscar a integridade moral de ninguém, já lhe foi colocada uma armadura medieval de segurança prevenindo, assim, todo e qualquer contacto físico. E, atenção, lá vai ele a entrar no carro da polícia... estão a tentar outra vez, já que o capacete da armadura bateu contra o tejadilho... nova tentativa... bonk...novamente... bonk...

Bom, fechamos aqui esta transmissão (bonk) em directo – tudo está bem quando acaba bem, não é verdade? - , vamos (bonk) regressar aos estúdios onde, a partir (bonk) das 22h, teremos mais um “Prós e Contras” com (bonk) o tema escaldante da actualidade (bonk) que este caso veio, mais (bonk) uma vez, trazer à ribalta - o excesso de amor (bonk) nas Escolas. Não perca.

Bonk.

1 Comment:

Scoya said...

Antes fosse, meu caro. Antes fosse...